Todos os textos são originais e propriedade exclusiva do autor, Gasolina (C.G.) in Árvore das Palavras. Não são permitidas cópias ou transcrições no todo ou/e em partes do seu conteúdo ou outras menções sem expressa autorização do proprietário.

domingo, 21 de junho de 2009

Risco a risco

Se aqui foram tantas as vezes que te lembrei também pode servir de lugar de esquecer.


Agora... Só preciso de saber como é que isso se faz pois por mais exercicios que arranje para te tirar dos meus dias mais eles ficam ocupados contigo e todos os pequenos pormenores que eu julgava não terem acontecido cospem-me a direito.


Achei que se escrevesse sobre recordar e apagar e depois riscasse com força por cima todas as palavras já escritas este mal estar ía-se. Entranha-se. Por cada palavra o equivalente a uma moeda que se enfia numa ranhura e debita um som ou um boneco ou um petisco e lá sais tu a sorrir, a cantarolar ou a falar com a ajuda das mãos num emaranhado de fios invisiveis.


Chega o meu café, o meu sumo, tudo igual ao café e ao sumo que tomámos juntos, porém outros suaram para arrancar as bagas e estas laranjas são de outro sol. Marco a chávena e o copo com as impressões labiais, talvez as tenhas levado também marcadas em ti e quem sabe no próximo café, no gole do sumo te lembres. Mas só nesse gesto porque já terás esquecido.


Não escrevo nem risco mais.


O empregado recebe o meu dinheiro, agarra na caneta e desenha um grande sorriso ao lado dos riscos. Deixo as folhas na mesa.



(in Eu na Versailles, escritos improváveis, C.G.- Nov/2005)

4 comentários:

tiaselma.com disse...

As folhas? Não as teria deixado sobre a mesa... Mãos e entranhas, eu as amassaria. Lentamente. Ato contínuo, saídas de mim, reduzidas a nada, jazeriam ignoradas, insignificantes em algum canto.
Seria esse o destino de quaisquer inconvenientes recordares e esqueceres que se atrevessem a embaçar-me as manhãs.
Exercício doloroso do tudo ou nada? Mas vale desvencilhar-me à depuração.

Beijocas.

Gasolina disse...

Tia Selma,

Mais amarfanhada que eu estava folha alguma despedaçada o conseguiría...


E concordo contigo. É bem melhor cortar o mal pela raíz.
Mas da teoria à pratica... Pois é.


Beijo a ti Selma.
Pelo vento forte chega aí rápido.

Vicktor disse...

Querida Gasolina

Sempre cruzamos veredas, tantas vezes tenho escrito isso e já te disse de voz viva, e agora não é excepção...

Li agora o que gostaria de ter sabido escrever para traduzir o que sinto neste momento...

E a lágrima rolou mesmo sem eu querer...

Beijinho.

Gasolina disse...

Vicktor,

É verdade. E já constatámos que os caminhos por onde passamos se cruzam e de uma forma tão peculiar que daría um argumento e peras para um filme!

Não te quero triste, qu'é lá isso?!

Abraço-te, forte, forte.