Todos os textos são originais e propriedade exclusiva do autor, Gasolina (C.G.) in Árvore das Palavras. Não são permitidas cópias ou transcrições no todo ou/e em partes do seu conteúdo ou outras menções sem expressa autorização do proprietário.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Dormir, acordar, dormir

O absurdo desperdício do sono, xaile invisível que asfixia a tinta das mensagens esvanecendo os pequenos nadas que se coleccionam, é a vida, quero contar das vidas mas pereço aquecida no abraço que dá colo, leva, nina, passa as franjas suaves no rosto, sossego por fora, se queres aventura trago monstros e mares e inunda-se o papel branco como um túnel onde a luz cega percorrido no cansaço de contrariar o pouco do corpo, alerta, não te firas na caneta também adormecida, as letras deitadas e juntas perdidas da mão que se fecha no hábito dos dedos que contam era uma vez, do caos parado pelas mortes fingidas e precisas para reerguer e nascer e fazer dos dias um tudo novo.

12 comentários:

jardinsdeLaura disse...

Gasolina,

Passei hoje aqui pela primeira vez depois de passar pela "photomaton" de Laura que muito aprecio! Li e devo confessar que fiquei sem fôlego!!! Fiquei tb curiosa e penso voltar... aliás vou espreitar um bocadinho mais! Espero que não se importe!!

Teresa Queiroz disse...

a certeza da necessidade de recomeçar, por fezes sofoca ...:)

tiaselma.com disse...

Linhas e entrelinhas no rota desse trem louco que não para em nenhum ponto, porque vida.

Beijocas.

SONY disse...

youtube- Yiruma - Kiss The Rain (Full Version)

reergue-te,
beijo Sony

marisa disse...

Belíssimo poema, querida Gasolina.
Li-o alto e soou tão bem...
beijo
marisa

Gasolina disse...

Jardins de Laura,

A 1ª coisa a fazer é tratares-me por TU. Simplifica e eu gosto.

A 2ª temos um gosto comum: a Laura, do meu coração, das palavras que me adivinha.

E de resto, obrigado. Pelo apreço nos comentários, por teres lido o que foi escrito, por teres vontade de regressar.

Quando te apetecer, a Árvore não sai, tem raízes muito fundas.

Gasolina disse...

Teresa Queiroz

(Risos!!! Impossível não ter rido da troca de letras! Também me acontece - constrangedor, por vezes!!!).

É isso mesmo, recomeçar.Sempre. À procura de ser feliz. Sempre.

Gasolina disse...

Tia Selma,

Mas ainda bem que é louco. Desenfreado.
A rotina amolece, amarelece, emudece.

E eu gosto de paisagens novas todos os dias.


Beijo para esse lado do Oceano

Gasolina disse...

Sony,

Está um bocadinho dificil Formiguinha...

Se eu tivesse todas as tuas perninhas sería tarefa fácil. Diría até, com uma perna às costas.

Embalo-me na chuva que me ofereces.

Abraço e abraço e abraço!

Gasolina disse...

Marisa,

Pézinhos!!!


Tento poetizar. Tento sempre.



Um beijo enorme para ti

Laura disse...

Vejo isto dito ou pensado, a tua mestria é essa, naquele momentozinho antes de adormecer que muitas vezes apetece interromper só para voltar a sentir...

Gasolina disse...

Laura,

Um dia falaste-me do nó.

E tanta coisa se desatou no meu pensar.
Assim adormeço, acordo e volto a achar que durmo.



Um beijo