Todos os textos são originais e propriedade exclusiva do autor, Gasolina (C.G.) in Árvore das Palavras. Não são permitidas cópias ou transcrições no todo ou/e em partes do seu conteúdo ou outras menções sem expressa autorização do proprietário.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Fevereiro



Mês dois.


Carrego aos ombros o peso da subida no ludibrio de achar que avanço. É um caminho de um só sentido, a novidade já foi, acabou-se aos primeiros dias quando achei que tudo sería diferente e por outro lado não fiz promessas, não me enganei na diferença, sabía-o de outros anos. Talvez me esqueça de quando em vez...


Mas agora que aqui cheguei repito-me nos passos da queda, da descida vertiginosa do tempo e da erosão: seguro-me, desfaço nas mãos um amparo que se esboroa mal o toco, degraus que rangem sob o peso da repetição, sei para onde vou não sei o que vou encontrar.


Melhor assim. Se o soubesse tentaría o recuo, ganharía impulso e saltaría ágil um ou outro mês, porém este é apenas o segundo, um patamar mal alumiado onde tacteio paredes rugosas e evito a todo o custo esfolar-me, o pé provando chão, tentando arranjar olhos quando cega piso.


Mês dois e tanto degrau para tropeçar.
.
(in Calendários, C.G.-Fev/2008)

10 comentários:

papagueno disse...

Este ano até são 29 degraus.
bjks

marisa disse...

de novo três delícias em forma de texto. deste gosto em especial: do tom melancólico que envolve o avanço no tempo tornado visível com uma metáfora fantástica.

um beijo

marisa, menos silenciosa...

Victor disse...

Querida Gasolina
É assim o tempo que passa...
Tem a dimensão exacta do nosso sentir... embora caminhe sem cessar, sem que qualquer facto o faça parar...
Por isso gosto muito do relógio do British Bar, no Cais do Sodré...
Beijinhos.

gasolina disse...

Papagueno,

Pois são, uma estafadeira!

:~D


E cada vez pesa mais subir esta escadaria...

Beijinhos!

gasolina disse...

Marisa,

É sempre um prazer saber-te na Árvore.
Mais viçosa quando dizes que gostaste... obrigado.

O tom melancólico é o desfolhar do tempo, inevitável, estação após estação...

Beijinho para ti.

PS.: Seja em pés de lã seja a deixar marcas: gosto de te sentir aqui.

gasolina disse...

Victor,

Pois é.
Mas o tempo devía esticar um pouco mais para se poder fazer mais coisas, ver mais cores, sentir mais aromas, amar mais tempo.

Hum... Esse relógio conheço-o sim e gosto muito dele, assim como do bar.

Beijinhos

lamia disse...

Tanto degrau para subir, também.Mesmo que imperceptivelmente.

gasolina disse...

Lamia,

Quanta honra ter-te na Árvore.

É verdade, tanto degrau a subir, cansados lá mais para o meio do ano surge o patamar, férias, tomar folego e atirarmo-nos ao resto da escadaria do tempo.

Muito bom o teu regresso.

Mateso disse...

Os degraus do sentir.. uns leves, outros mais íngremes ,e outros ainda aos tropeções. Todos, mas todos perfazem a escada da vida que teimamos ora em subir ora em descer.
Bj.

gasolina disse...

Mateso,

Uma escada por vezes mal formada nos seus degraus e nós aos tropeções, no escuro, pés e mãos a tentar galgar.

Um beijinho