Todos os textos são originais e propriedade exclusiva do autor, Gasolina (C.G.) in Árvore das Palavras. Não são permitidas cópias ou transcrições no todo ou/e em partes do seu conteúdo ou outras menções sem expressa autorização do proprietário.

sábado, 9 de fevereiro de 2008

Antes de ser

Achavas tu então que eras único, que chegavas, tomavas, partías e eu desfalecida na futura ausência me entregava ao condicional do que podería ter sido o que nunca foi para além do projecto do hei-de, uma mais valia esta coisa do existir apenas na nebulosa imensidão do que se deseja, assim se das três dimensões nada se provar nenhuma lágrima cai, só as do sonho de se querer que fosse.


Porque o risco, esse acontece depois de termos corrido o fio do muro, aí sim, já se abriu os braços no equilibrio, já se experimentou a adrenalina, mas até para domar a vertigem o truque é simples que basta olhar adiante e nunca para os pés.


Por isso te digo: cheguei perto e vi que tu eras um muro. Não foi da altura que me assustei, foi da frieza de eu sentir nas minhas costas esse encosto sem molde. Não me cabes, não me serves e cuida, olha que um dia destes de tanto te sentirem impenetrável deixas de o ser. Desmoronas.

16 comentários:

M. disse...

Nada, por mais forte que seja pode resistir a um desmoronamento se a força for maior. Mas há os que caem bem e são facilmente reerguidos. E há os que se pensavam invencíveis e caem com o maior estrondo.

Beijo erguido.

marisa disse...

vejo este texto e os dois anteriores como uma triologia; gosto e muito.

beijinhos

marisa

gasolina disse...

M.,

Lembras-me Berlim.

Há homens e mulheres que são como esse muro. Já derrubado.

Um beijo M.

gasolina disse...

Marisa,

E são. Principio, Meio e Fim.

Os teus olhos despem muito bem as minhas palavras. Como poucos o conseguem fazer.

Deixas-me muito feliz.

Um beijo para ti. Com um sorriso.

Papoila disse...

Há quem queira ser muro, forte de pedra firme, e não passe de um mero aglomerado de lama seca sobreposta.


Beijinhos
BF

marisa disse...

Agrada-me a ideia de "despir palavras com os olhos" e
agradeço o comentário que tocou fundo.

Um beijo para ti, sorrindo também.

marisa

pin gente disse...

que avisado o teu olhar que previu
fixou o horizonte antes da pirueta
parece um truque simples, sim!
mas nem tudo o que parece é
esperto o teu coração que o sentiu

acabou o tempo, vira a ampulheta
este momento vai chegar a um fim
afasta-te do muro ainda que prometa
não desmoronar tão cedo assim

Aspásia disse...

(E VENHO DESCENDO, POST A POST, COMO QUEM DESCE OS DEGRAUS DE UMA GRUTA ENCANTADA...)

AMANTES DE PEDRA NÃO SÃO NADA CONFORTÁVEIS, FRIOS E DUROS, E ENTÃO SE SE ACHAM ÚNICOS, PIOR, PIOR... ASSIM FIZESTE BEM EM DEIXAR DE FALAR PARA ESSA PAREDE!

NÃO ME DIGAS QUE A MAIORIA DETES TEXTOS É ESCRITA DURANTE OS PERCURSOS FLUVIAIS QUOTIDIANOS...

E POR FALAR EM MUROS, DEIXO-TE UM LINK PARA UM POEMA MEU, EM TEMPOS IDOS DEDICADO A J.M.VAZ, PELO SEU LIVRO DO MESMO NOME...

MUROS

BEIJO ATRAVÉS DA SEBE

Abssinto disse...

Tudo o que foi construido acaba por sucumbir. Ficam as memorias porque não podemos sequer apagá-las, o que será pena (ou não).

gasolina disse...

Papoila,

Tu nem fazes idéia da dimensão das tuas palavras, a imagem que elas me projectaram!
Deste-me tudo!

Adorei!

Tens tida a razão: lama sobreposta!

Beijos Papoila dos Girassóis.

EStou feliz de te ver na Árvore.

gasolina disse...

Marisa,

As palavras para mim têm grande valor por isso tento não usá-las em vão ou sem sentido.
Tudo o que te disse é a verdade: poucos me lêem como tu o fizeste e conseguem atingir o objectivo da Gasolina.

Muito Obrigado. Por tudo.
Não agradeças.

Um beijo

gasolina disse...

Pin,

Esses versos são verdadeiros e quasi premonitórios... é só deixar passar o tempo e o tempo encarrega-se de soprar o muro até se tornar em pedaços sem utilidade.

Obrigado.

gasolina disse...

ASPÁSIA,

ADOREI O TEU MUROS: QUUANDO MUITO ALTOS, SOLITÁRIOS.

BELISSIMA IMAGEM!

ESTÁS CERTISSIMA ASPÁSIA JARDINEIRA!
NEM SABES O QUANTO!

BEIJOS GRANDES!!!

gasolina disse...

Abssinto,

Como são sábias as tuas palavras.

E tanta razão e alcance nessas memórias...

Um beijo

Dias disse...

Grande descarga, oh mestra. Gosto de te ler assim, pujante, "sangue na guelra".

Demasiado feminino para o que nos tens ensinado, mas muito bom.

Beijo de areia

gasolina disse...

Dias,

Muito obrigado.
Fico sempre feliz quando os meus textos agradam.
Especialmente a alguém que tem um gosto tão singular.

Beijo de mar