Todos os textos são originais e propriedade exclusiva do autor, Gasolina (C.G.) in Árvore das Palavras. Não são permitidas cópias ou transcrições no todo ou/e em partes do seu conteúdo ou outras menções sem expressa autorização do proprietário.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

(do culto) Da boa vontade

É por estas alturas que tenho desejos estranhos. Não de comeres ou beberes, veneta de mulher prenhe ou vontade do condenado. Mas aspiro a ser árvore sem palavras - pelo menos as minhas- toda enfeitada de bolas brilhantes e fios coloridos que faíscam às luzes intermitentes que habitualmente se fundem ao cabo de dez utilizações. Gostava de ser pinheiro, vulgo árvore de Natal. Concentrar-me em ter os braços abertos e suportar o peso leve dos penduricalhos. Aguentar-me. Sem som. Ou apenas o roçar das agulhas secas a chorarem no soalho.


Aguentar tudo, as noites de festa, a amizade da época, os votos embrulhados no papéis dos presentes que vão directo para o lixo após a desilusão de um novo par de meias quentinhas e tão semelhantes às do Natal passado.


Aguentaría também as reuniões com todos aqueles que mal suportamos ao longo do ano e que alegremente ombreamos no jantar da empresa. Com garbo. Mesmo que o conviva que nos calhou de frente seja o nosso superior e lamba o gume da faca.


Aguentaría os cartões, os amigos secretos, as mensagens de telemóvel, a repetição dos mails passados e repassados, as fotografias de grupo, os carapuços vermelhos que causam alergia e até mesmo as hastes de rena que destroiem o penteado que nos prendeu por mais de duas horas no cabeleireiro.


Ser árvore de Natal é ser maior. É ter a boa vontade de ouvir, ver e calar. Que de todas as boas-vontades não encontro paralelo nesta estoica tarefa a que assiste no desfilar de um corredor de hipocrisias, disfarces, mentiras e transformações. Haja vontade para se dizer bem, para se dizer mal quando se é e quando está.


Eu disse que tinha desejos estranhos. Gostava de ter palavras à séria, sem cartões com música ou bonecos que saltam. Só palavras a dizer o quanto se gosta de alguém. Acho lindo presentes feitos de palavras, enfeites feitos de palavras de boa vontade.

14 comentários:

marisa disse...

O meu presente aqui vai, palavras de boa vontade a dizer que estou feliz porque voltaste e és de novo árvore (pinheiro, carvalho, faia... ou todas elas numa só).

Abraço forte

marisa

AnaMar (pseudónimo) disse...

Gosto de ti.
Sempre gostei :-)
Um beijo

Arabica disse...

Todos os natais tenho desejos estranhos. O ano passado, o de ausência, levou-me a ter uma árvore numa sala despida de pessoas. Olhava para ela e pensava tão bela! Olhava para ela e pensava sem ela terias lugar para todos à volta de mesa. Que andas tu a fazer? Respondi a brincar aos cenários hipotéticos cenários num palco de mulher sózinha. Avulsa.
Cair na casa das filhas. Assim, como uma caixa leve de cartão ornamentada com um grande laço abraço. Ser recebida por quem recebi. Ir. Aceitar ir. Não estar. Ter o cenário perfeito e fechar a porta. Levei em caixas hermeticamente fechadas o natal.
Este ano, o desejo estranho foi não ter árvore e ser árvore. Casa larga onde todos vão caber, sentem-se sentem-se sob mim sobre mim à minha volta que tanto custa ser arvore solitária o ano inteiro, sem os meus pinheiros filhas.
Em pratos abertos o natal.
Em braços abertos o natal, sou eu, este ano.

Um beijo e um Feliz Natal, para lá do outro visivel. :)

Teresa Durães disse...

Há bastante tempo que não passo por aqui. Desejo-te boas festas!

tiaselma.com disse...

Amiga, há tempos procuro por ti. Pensava desativada a Árvore... Tentei saber por tantos meios e nada...
Enfim, cá estou em vossa terra. Fui ter com Pessoa e deixei um poema apaixonado por Lisboa em meu espaço.
Meus presentes de Natal? Voltar a ler-te por lá e a ser parte de sua Árvore. Realizas desejos?

Beijocas saudosas, embora mais próximas.

SONY disse...

Gosto de ti.

Putty Cat disse...

;)


beijo meu

Teresa Durães disse...

Venho desejar um óptimo Ano Novo para ti!

Bj

des-encantos disse...

passo muitas vezes...mas hoje (trans)escrevo:"desfilar de um corredor de hipocrisias, disfarces, mentiras e transformações..."
é verdade. td o que rodeia esta e outras árvores é assim. nada mais a esperar.

MBSilva disse...

:)

Sempre fantástica na escrita e no sentir...!

BOM ANO!

Beijinho!!!!!!

M.

Teresa Durães disse...

olá, desapareceste mas venho convidar-te a dar um salto lá no Voando

arabica disse...

Então a Ode à Primavera?

Beijos

Silvestre Raposo disse...

parabéns pela tua escrita e por este blog.ontem fiquei contente de te conhecer. beijinho

Papoila - BF disse...

Já não será para esse Natal que te darei as minhas palavras, mas será sim para o Natal que hoje estou a celebrar ao te ler. Bjs