Todos os textos são originais e propriedade exclusiva do autor, Gasolina (C.G.) in Árvore das Palavras. Não são permitidas cópias ou transcrições no todo ou/e em partes do seu conteúdo ou outras menções sem expressa autorização do proprietário.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Desligo a luz

Fumo a última noite no gosto acre esperançoso de que este sabor me lembre outros hálitos, outras dores, qualquer coisa que me copie a atenção para uma janela que não seja fechada, o vidro transparente a enganar o cerrado, o estilhaço no focinho sedento de um sangue menos vermelho, menos quente, menos eu.


Quero ter sono e dormir. Quero ter sono e sonhar. Quero ser banal e sonhar com flores, com amores, com risos e algodão, doce, doce, doce... Na verdade não tenho sonos, nem sonhos, nem vontade de fechar os olhos e parar as mãos, nem quero ser banal nem quero sonhar, só quero gritar e rasgar a dor que já me rasgou.


Amarelecem-me as memórias em notas de música que amachuco negras no cinzeiro cheio.


É tarde, é cedo, é o último desejo do condenado.


Desligo a luz, boa noite aos que vieram.

9 comentários:

CNS disse...

Serás sempre tudo menos banal.

Um beijo

marisa disse...

só quero deixar um bom dia...
bj
marisa

f@ disse...

Olá...

é dia
de ligares a luz
de inventares o sonho
e o sono tarda
sempre...

cai na madrugada... quando o sol espreita a tua janela...

!nfinito beijinho

triliti star disse...

é tarde, vou apagar a luz e deitar a cabeça na minha almofada. posso sonhar, como tu, sonhos banais para trocarmos amanhã um com o outro?

pin gente disse...

na verdade eu queria... ter sono... sonhar com algodão doce e pipocos, com castelos de areia e praia, flores e pássaros em bandos... na verdade eu queria

quem sabe talvez sonhemos juntas.
deixo um beijo

Vicktor disse...

Querida Gasolina

Gosto muito de te ler... bem o sabes.

Gosto muito de olhar teus olhos... profundamente.

Desejava muito ser mago e ler teus sentires no espelho da tua alma.

Beijinhos.

Mateso disse...

Na banalidade do sentir reside a memória do Ser.
Bj.

Arabica disse...

Gas,

boa noite à que escreve,

e assim, liberta a condenação da memória. Fumada.

Um abraço,

Papoila - BF disse...

Olá Gasolina

Eu voltei mais ou menos ao ponto em que te deixei. Fiz uma pausa um grande intervalo, agora vou tentar compensar as minhas leituras.
Um beijo

BF