Todos os textos são originais e propriedade exclusiva do autor, Gasolina (C.G.) in Árvore das Palavras. Não são permitidas cópias ou transcrições no todo ou/e em partes do seu conteúdo ou outras menções sem expressa autorização do proprietário.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Cartas ao Mar

Não há crianças na minha rua. Não se vêem, não se ouvem, nem um lamento, um pedido insistente à mãe, o choro do castigo. Não há jogos desenhados na calçada nem uma bola esquecida à hora do lanche.
No prédio ouço passos que querem parecer ausentes, só a escada velha os trai, pequenos rangeres de degraus comidos pelo bicho da madeira e pelo tempo desgastado em manterem escondidos todos os habitantes.
Ouve-se o silêncio.
Respira-se o silêncio.
Perco-me no silêncio que me estala como as escadas. Talvez esteja só, a envelhecer como elas, como a parede de tijolos que avisto da pequena janela do saguão. Talvez já tenham existido crianças e cresceram e envelheceram desde que deixei o meu mar e agora ocupam-se como os outros moradores a permanecerem solitários nos seus gritos abafados de dor por terem perdido a meninice no tempo em que muda a maré.
Tão pouco a Lua tem força para se descobrir e alumiar caminhos, caras, tamanhos de gente grande e gente miúda que me faríam renascer a esperança, clarear este quarto velho de velhas passagens, tantas solidões parelha de mim.
Talvez tivessem largado o mar como eu, o veneno de se perder os olhos para além do que se vê e se cobiça como uma criança perante um doce.
Mar doce, mar doce...
Aqui não há crianças e há menos uma mulher.




(in Cartas ao mar - Agosto/2008)

8 comentários:

tiaselma.com disse...

Um dos seus mais belos textos, se não o mais. É mar e é doce.

Obrigada, Gasolina.

Vicktor disse...

Querida Gasolina

O mar, o teu mar, o nosso mar sempre presente mesmo nos momentos mais dolorosos, especialmente nesse...

Um dia, tal como acontecerá ao velho marinheiro, aproximar-te-ás da espuma branca do rebentar das ondas e serás mar tu também.

Beijinho.

f@ disse...

Esse vazio que se perde no tempo e nos toma as mãos…
Vazias a apanhar o mar para encostar ao horizonte…

O verdadeiro rubro das palavras…


Gatinha mto bonita…

Imenso beijinho

pin gente disse...

como é pena certos adultos perderem o seu lado infantil...
gostei muito de te ler
abraço, gas
luísa

triliti star disse...

sem esperança.


triste.


mas muito bonito.

um beijo

poetaeusou . . . disse...

*
meninas do mar
são todas as crianças,
são todas as mulheres,
era . . . a minha santa avó.
,
marés de simpatia, envio-te,
,
*

Arabica disse...

Rostos, almas e ruas a envelhecerem de mãos dadas.
E o mar, tão longe.
Como uma memória.
Que dói.
"Quem fui?"

Papoila disse...

senti a falta do riso das crianças da tua rua. Lindo

BF