Todos os textos são originais e propriedade exclusiva do autor, Gasolina (C.G.) in Árvore das Palavras. Não são permitidas cópias ou transcrições no todo ou/e em partes do seu conteúdo ou outras menções sem expressa autorização do proprietário.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Dizer com árvores



Hão-de ser tela onde se roça o verbo depois embrulho outonal de castanhas e a seguir chapéu de louco ou nau catrineta.


Até lá são prumos de abraços, desejos de bem aventurança, dedos que crescem da terra e apontam o caminho, são lembranças da minha terra, da tua, de quem sabe o fado no assobio salgado do mar que ficou para trás, milhas do gostar, dão nome ao tamanho do silêncio raro do ar alto.


Dizes faias, antigas de um século que se perdeu.

Digo faias, um século de estima que não se ensinou. Rompeu como árvores.




Obrigado Pézinhos, abraço-te.




Foto de faias selvagens do séc.XVIII, parque de Düsseldorf, de Marina H.F.

6 comentários:

marisa disse...

Querida Gasolina,

Penso que nunca ninguém as cantou de forma tão bela. Na próxima visita vou-lhes sussurrar o texto que inspiraram... Obrigada, querida amiga.

marisa

pin gente disse...

fizeste-me lembrar "maria faia".

imponente esta árvore, gasolina.
um beijo
luísa

Gasolina disse...

Marisa,

Terá sido abuso de minha parte... Mas o impluso de as escrever foi tão forte quanto a maravilha que senti quando mas enviaste!

Obrigado, obrigado pelas "nossas" árvores!

Um beijo Querida Amiga

Gasolina disse...

Pin,

São lindas estas faias, lindas.

Assim como a Marisa que mas ofereceu.

Bom ter-te perto da Árvore.
Beijo grande L.

Papoila disse...

àrvores.. as vidas que nos vai faltando em cada ramo que cai.
Bonitas as tuas palavras.

Beijo
BF

Gasolina disse...

Papoila,

Mas é sempre um alento olhá-las, saber que mesmo que não se veja as folhas estão lá e um dia é Primavera e tudo volta a ser verde.

Como o teu regresso aqui, tu como folha daqui.

Um beijo Papoila dos Girassóis