Todos os textos são originais e propriedade exclusiva do autor, Gasolina (C.G.) in Árvore das Palavras. Não são permitidas cópias ou transcrições no todo ou/e em partes do seu conteúdo ou outras menções sem expressa autorização do proprietário.

domingo, 11 de abril de 2010

Domingos

Neura de Domingo. À tarde. Devería o sol ter-se envergonhado e ser cúmplice deste não querer amanhã. Barriga cheia de sabores de casa a precaverem o fastio de futuros dias. Chinelos macios a esquecerem o calo de horas perdidas na repetição de monossílabos, dúvidas, não gostares sem ser desgosto. O relógio apressa-se sem som, traiçoeiro de coisas por fazer ou das que não apetece, não apetece que seja Domingo à tarde, não se quer o dia seguinte, espera-se do amanhã o trampolim rápido até Domingo, queixume por a vida ir tão depressa.

5 comentários:

Pinóqui de Alfama disse...

à noite passo por cá com tempo. agora deixo um beijo apressado.

Vicktor disse...

Querida Gasolina

Na verdade, logo, logo o dia seguinte ao Domingo já passou...

Estas coisas do tempo que passa fazem sempre lembrar-me do nosso relógio do British Bar.

Beijinhos.

tiaselma.com disse...

Sim, terrível a síndrome do domingo que finda...

Beijocas na Gasolina, agora postando com a rapidez dos dias e da minha vontade de lê-la.

pinóquio de alfama disse...

Voltei e agora vou assinar bem.

Pois é, para mim não há como o fim das tardes de sexta feira.

PS- Um dia destes abro a minha casa ew convido-te a visitar-me.

Papoila - BF disse...

Por vezes fico assim ... cheia de Domingos de coisa alguma.

Beijo

BF