Todos os textos são originais e propriedade exclusiva do autor, Gasolina (C.G.) in Árvore das Palavras. Não são permitidas cópias ou transcrições no todo ou/e em partes do seu conteúdo ou outras menções sem expressa autorização do proprietário.

quinta-feira, 30 de abril de 2009

O reino

Ali o meu reino.
De palma ao céu contavam-se linhas muito profundas outras apenas o que parecía ser um esboço abandonado e mostrava o lugar. Não apontava, o gesto tinha a leveza soberana de quem gosta do seu sitio e cuida que as fronteiras cresçam sem melindrar vizinhos ou inimigos, que até nestes, honrados, se lhe encontra a valoração para se saír vencido.
Já o fora, bastas vezes a cor azul do sangue lhe havía subido nos olhos e na boca e tudo à volta ferido se tornara branco. De um branco neve e frio sem consolo de palavras que lhe dessem força para erguer nos joelhos que fosse, pequeno de novo no engatinhar do recomeço.
Não se envergonhava, eram lutas suas, ganhas umas outras lições.
A ofensa do riso a quem mostrou o seu reino não lhe tocou, a solidão é mais cruel.
Sentou-se na mesa, recolheu os papéis embaraçados de letras. Mostrar o reino não faz de ninguém súbdito, tão pouco rei.

8 comentários:

Arabica disse...

Da diferença das espécies e dos reinos.


Um beijo

marisa disse...

Tu mostras o teu reino de palavras e eu não me importo de ser súbdito...
beijo
marisa

Gasolina disse...

Arabica,

Por vezes nem melhor ou pior.
Apenas diferente.

Um beijo

Gasolina disse...

Marisa,

E assim sou eu, súbdita destas letras que me mantêm prisioneira.

Ainda bem que estás aqui comigo.

Abraço apertado até ao Reno.

Vicktor disse...

Querida Gasolina
Também eu me sinto preso pelas tuas palavras... E mais prisioneiro ainda quando vejo teus lábios a soletrá-las.
Beijinhos muitos.

Gasolina disse...

VicKtor,

Espero que as folhas sempre te tragam carinho.

Com um sorriso grande para ti.

Mateso disse...

as letras são apenas desenhos do espirito.
Bj.

Gasolina disse...

Mateso,

Eu também o creio.

E assusta-me. Às vezes.

Beijo grande no teu azul